small001

Participantes das oficinas de biojoias expuseram produtos e contaram suas histórias

 

Em visita ao estande com produtos da nova marca Art’s BioHans, qualquer frequentador da 8ª Rondônia Rural Show poderia ver colares, brincos, pulseiras. Ao conversar com os produtores das peças, alguns deles puderam descobrir trajetórias de dor e superação. Histórias com um fator em comum: a convivência com a hanseníase.

O evento, considerado a maior feira do agronegócio em Rondônia, atraiu cerca de 120 mil pessoas entre os dias 22 e 25 de maio. Por isso, participantes de grupos de autocuidado de cinco municípios foram até a cidade de Ji-Paraná, a 370 quilômetros de Porto Velho, para mostrar produtos confeccionados desde o início do ano.

As biojoias foram produzidas a partir de duas oficinas de capacitação do projeto Reabilitação Socioeconômica em 2019. Com as orientações da artesã Cristiane Oliveira, membros e coordenadores de grupos de autocuidado em hanseníase aprenderam a criar acessórios a partir de materiais vindos da natureza, como sementes, fibras de coco, escamas e madeira.

Aos 54 anos, Ivanilda Ribeiro foi uma das expositoras no estande do projeto e apontava os produtos feitos por ela, pelo marido e pela filha. Eles e duas irmãs de Ivanilda foram acometidos pela hanseníase. Na cidade de Monte Negro, a família busca o sustento na venda de leite em feiras agrícolas.

 

small002

A confeccção de biojoias trouxe novas chances de renda para o casal Ivanilda e Edno Carlos

 

Para Ivanilda, a nova atividade é uma terapia e permite conhecer melhor pessoas com problemas semelhantes. “Uma das piores coisas é o preconceito. É muito triste ver pessoas que se afastam de você por causa da doença. Mas a gente vai levando, escutando as histórias dos outros e se fortalecendo”, conta.

O esposo Edno Carlos encontrou uma oportunidade de continuar trabalhando. Aos 53 anos, ele já não pode exercer a profissão de pedreiro, pois as sequelas da doença trouxeram perda de força e alteração de sensibilidade nos braços. Agora, ajuda a fazer biojoias dentro de suas possibilidades físicas. “Gosto de fazer umas peças bem detalhadas, eu descobri que tenho paciência pra isso”, comenta.

A esposa foi a primeira a participar das oficinas e envolveu a família na atividade. E sonha além de vender os produtos em feiras de Rondônia. “Quero aprender a beneficiar sementes e folhas de buriti. Tenho amigos que querem levar para Minas Gerais e para Portugal. Quero achar quem queira levar nossa arte para o exterior. Eu e minha filha já temos encomendas e queremos crescer”, compartilha.

Reabilitação

O projeto é executado pela Agência Estadual de Vigilância em Saúde (Agevisa), recebendo suporte técnico e financeiro da NHR Brasil. A participação na Rondônia Rural Show foi também momento de articulação para a continuação e sustentabilidade da iniciativa, contando com o apoio da coordenadora Albanete Mendonça, vinculada à Agevisa, e da assessora técnica da NHR Brasil, Rejane Almeida.

Durante o evento, os participantes tiveram a oportunidade de mostrar o projeto para frequentadores que se interessaram em apoiar a proposta. Dentre eles, pessoas envolvidas na promoção do empreendedorismo, da assistência social e do acesso ao microcrédito.

 

small003

Assessora técnica Rejane Almeida com o governador e a primeira-dama de Rondônia

 

Com estande no Espaço Empresarial Internacional, os participantes também receberam a visita do governador de Rondônia, Marcos Rocha, e a primeira-dama Luana Rocha, que está à frente da Secretaria Estadual de Ação Social (SEAS). Ambos conheceram a proposta e sinalizaram apoio para ações futuras do projeto.

A hanseníase e a inclusão social foram tema de duas palestras proferidas pela coordenadora Albanete Mendonça no Espaço Empresarial Internacional, alcançando públicos diversos. Outro momento importante para os participantes foi a conversa com a cantora Sula Miranda, que elogiou a iniciativa ao ser presenteada com uma biojoia.

 A Rondônia Rural Show contou com 532 expositores de trabalhos variados. O estande da Art’s BioHans ficou situado no pavilhão de artesanatos, que movimentou mais de R$ 120 mil nos quatro dias de evento. O projeto também despertou o interesse de representantes da Superintendência de Desenvolvimento Econômico e Infraestrutura (Sedi) e do Programa do Artesanato Brasileiro (PAB-RO).

“Eu conheci o projeto antes da feira e me prontifiquei a orientar. É importante que eles conheçam o que é o artesanato e cresçam nesta atividade. Artesanato envolve amor, esforço, respeito. Comprar e dar de presente uma peça dessas é valorizar tudo isso”, comentou Wéllida Sodré, coordenadora do PAB-RO.

Confira mais imagens da participação na Rondônia Rural Show