PEP++ - Interromper a transmissão da hanseníase

Locais de atuação: Municípios de Fortaleza e Sobral (áreas de intervenção) e Maracanaú (área de controle), no Ceará

Coordenação no Brasil: Alexandre Menezes (NHR Brasil)

Pesquisadora principal no Brasil: Ximena Illarramendi (Fiocruz-RJ)

Projeto multicêntrico internacional com regime de profilaxia pós-exposição reforçado para contatos sociais de casos com hanseníase. O estudo será realizado em áreas do Brasil, da Índia e da Indonésia, com coordenação internacional da NLR. 

A pesquisa parte da hipótese de que é possível interromper a transmissão do M. leprae em uma comunidade endêmica ao utilizar a estratégia da quimioprofilaxia para contatos próximos e um círculo mais amplo de contatos em cada caso índice.

No Brasil, a perspectiva é alcançar 200 mil pessoas com a abordagem preventiva, com a meta de reduzir em até 50% o número de novos casos nas áreas de intervenção após cinco anos. 

O esquema reforçado de antibióticos, com rifampicina e claritromicina (PEP++), será administrado para os contatos mais próximos, enquanto a abordagem com os demais contatos será a quimioprofilaxia com rifampicina em dose única (PEP). 

Conheça as etapas específicas do PEP++.

Estudo - Conhecimentos, Atitudes, Práticas e Percepções Relativos à Hanseníase em Áreas Hiperendêmicas do Brasil (CAPP-Hans)

Avaliação do uso de testes rápidos

Mapeamento de casos e áreas quentes

Ensaio clínico

Vigilância de Populações Específicas

Local de atuação: Município de Eunápolis, na Bahia

Coordenação: Naiara Rocha (Secretaria Municipal da Saúde)

Ações integradas para detecção e controle da hanseníase, com foco em crianças e adolescentes até 15 anos e homens acima de 60 anos, ampliando a vigilância epidemiológica e contribuindo para quebrar a cadeia de transmissão da doença.

As estratégias envolvem capacitações, disseminação de informações e busca ativa de casos, incluindo abordagens com a população local, profissionais de saúde, igrejas, escolas, mídia local e outros parceiros.

SkinApp

Coordenação: Rejane Almeida (NHR Brasil)

Processo de validação do aplicativo SkinApp para uso no Brasil, contribuindo com o diagnóstico da hanseníase e outras doenças de pele na Atenção Primária à Saúde (APS).

O aplicativo foi desenvolvido pela NLR para aumentar a capacidade de profissionais de saúde trabalhando em áreas com poucos recursos. Para o Brasil, o processo de adaptação envolve especialistas da dermatologia e articulação com o Ministério da Saúde.