07 redução estigma


O estigma e o preconceito são elementos presentes na construção social e histórica da hanseníase, persistindo como um desafio a ser enfrentado. São diversos os contextos em que as pessoas acometidas pela doença vivenciam o estigma: família, comunidade, ambientes de trabalho, escola, dentre outros.
Estas vivências trazem impactos no âmbito psicossocial, fortalecendo o isolamento e a exclusão destas pessoas, podendo repercutir negativamente na busca pelos serviços de saúde, na adesão ao tratamento e na avaliação dos contatos das pessoas acometidas.


Enfrentar o estigma é um objetivo que perpassa todos os projetos apoiados pela NHR Brasil, compondo um eixo obrigatoriamente contemplado no planejamento.


Para isto, os projetos incluem estratégias de informação, educação e comunicação, intervenções em ambientes comunitários e escolares, além da aplicação da escala EMIC pelos serviços de saúde para reconhecimento do estigma.