reducao estigma hanseniase floriano

Proposta no município de Floriano integra ações de projeto para redução do estigma

“Hanseníase tem cura: cure-se da discriminação” é o tema do concurso de redação lançado na escola municipal Odorico Castelo Branco, na cidade de Floriano - Piauí. A iniciativa receberá textos de alunos do 6º ao 9º ano e da modalidade Educação de Jovens e Adultos (EJA).

A iniciativa olha para o espaço escolar como um cenário de ampliação do debate sobre a discriminação relacionada à hanseníase, compreendendo as possibilidades de aprendizagem e reflexão nos processos educacionais. Como lugar de produção de saúde, a escola se torna um dos ambientes estratégicos para a redução do estigma no município.

O concurso busca mobilizar a comunidade escolar para conhecer a hanseníase e seus aspectos sociais. O edital para o concurso foi lançado durante a oficina Educa Hans, realizada na escola no dia 21 de agosto. A atividade envolveu alunos e profissionais de educação para discutir a doença em seus territórios, além de fornecer aos educadores elementos para tratar do tema na escola.

Confira o edital no site do Morhan

As inscrições para o concurso são realizadas até o dia 30 de agosto. O resultado será divulgado no dia 12 de setembro, que marca o Dia Estadual de Combate e Prevenção da Hanseníase no Piauí. Um tablet, kits escolares e medalhas integram as premiações.

Territórios Estigmatizados

O concurso de redação foi uma iniciativa trazida pelo Movimento de Reintegração das Pessoas Atingidas pela Hanseníase (Morhan), núcleo Piauí, sendo incorporada às ações do projeto Territórios Estigmatizados pela Hanseníase, proposto pela NHR Brasil e pela Universidade Federal do Ceará (UFC) no município de Floriano.

A cidade recebe atividades e discussões para redução do estigma em hanseníase desde 2018, contando com parcerias com as secretarias municipais de Saúde e Educação, Morhan Piauí e Universidade Estadual do Piauí (UESPI). Uma destas ações foi o I Seminário Estigma e Hanseníase, reunindo gestores locais, pesquisadores, sociedade civil e profissionais de saúde e educação.